Você é especial? Nossas liberdades na era da internet

Você é especial?

Se você está lendo este texto, há grandes chances de que você tenha nascido, crescido e se desenvolvido, ou que você seja uma forma de vida desconhecida que não precisou passar por essas três etapas para adquirir a habilidade da leitura. Nas aventuras deste caminho tortuoso conhecido como “vida”, você participou de experiências únicas e comuns. Mesmo as comuns possuem pontos de vista personalizados e se tornam, portanto, igualmente singulares.

Em última instância, sim, você é especial. Todos somos e ninguém realmente o é.

você é especial
As Vantagens de Ser Invisível“, 2012.

Nos nossos pequenos universos particulares, por vezes nos deparamos com situações que contrariam os confortáveis pensamentos ideológicos e morais aos quais nos vemos alinhados. Em diferentes níveis, você se torna o herói e o vilão em um embate sanguinário, acirrado e épico, marcado pela velocidade dos movimentos datilográficos e o ensurdecedor tilintar dos cliques.

Nolanalizando a escrita, estamos falando da Internet. A primeira de seu nome, terra de todos os ninguéns, a ditatorial democracia da liberdade, o lugar inóspito povoado de paradoxos em que argumentos são validados por memes e “mimimi” parece ser o supertrunfo para qualquer discussão.

A rede mundial de computadores é a vitrine de exposição do melhor pior dos melhores e dos piores pensamentos capazes de descrever o que é a humanidade. É permitido organizar mutirões para a revitalização de um terreno abandonado, arrecadar fundos para um projeto de caridade, investir e apoiar iniciativas interessantíssimas, juntar a galera para um churrasco e, de quebra, congregar um movimento de supremacia racial. Que tal?

O absurdo de Charlottesvile.

As empresas e os empreendedores também encontram aqui o seu espaço publicitário. A intrincada rede de internautas facilita a propagação de conteúdos relevantes. Algumas boas ideias pululando por aí são as de um estagiário lascivo responsável por um telão público; uma companhia aérea pensando em usos incomuns para miniaturas de seus veículos; e um jovem gênio autoproclamado criptografando suas obras, que certamente seriam igualmente relevantes mesmo publicadas sobre condições normais de temperatura e pressão, com runas tolkienianas extraídas do manual do escoteiro-mirim.

O resultado? Estamos felizes em pagar o aluguel do melhor condomínio da região, aquele perto do shopping, do estádio, do parquinho e da delegacia e que teve sua estrutura condenada pelo corpo de bombeiros.

Atenhamo-nos ao que importa a todos. Apreciem a liberdade!

Você é livre aqui. Mire o mais distante que conseguir imaginar e voe. Não olhe para trás, mas também não olhe para frente. Apenas feche os olhos e siga voando. Você poderia pensar no risco de se estabacar em uma árvore ou num prédio. Mas não vai acontecer. Não, não com você.

Você é livre para voar, filho de Dédalo. Voe. Voe rápido.

Você é especial, afinal.

***

Esse texto foi escrito por Leandro Bezerra. Encontre-o no Twitter.

The following two tabs change content below.

erikavilez

Erik (sem C) é escritor, roteirista e dançarino de hula profissional lá fora. Aqui dentro, Erik é redator-chefe e comercial do site, além de criador, host e editor do PontoCast, o podcast carro-chefe da casa.