Comentário: The Walking Dead (6ª Temporada)

Chegou ao fim ontem a sexta temporada de The Walking Dead e é hora de fazermos um levantamento final sobre o que aconteceu. Ao contrário da primeira parte da temporada, exibida no ano passado, essa leva de episódios foi muito mais consistente, conseguindo manter um nível de qualidade e relevância considerável, o que havia sido apresentando anteriormente eram momentos variando entre razoáveis (com muita boa vontade) e chatos. Dessa vez, não foi o caso. As histórias dos personagens foram bem desenvolvidas, principalmente no diz respeito aos seus relacionamentos, sejam amizades ou, até mesmo, namoros, a temporada foi repleta de casaizinhos e teve até um triângulo amoroso. Embora alguns possam torcer o nariz para isso, principalmente para o casal Rick e Michone, acredito que o amor tenha espaço em qualquer lugar e, além disso, acho que seis temporadas é o suficiente para galera lembrar que não são eles que são os walkers de sangue frio.

 negan-twd-1_uebr

Um outro ponto que precisamos lembrar é que, na transição do último episódio da temporada anterior para essa, tivemos uma pegadinha do Malandro ié ié. Alguém se apresentou como o terrível Negan, e como falei nas primeiras impressões, ele foi explodido por um tiro de bazuca, na primeira explosão decente da série. Já aí percebemos ele não poderia ser o Negan, pois a maldade do personagem dos quadrinhos transcendeu os balões e recordatórios e tornou-se conhecida até por quem não é leitor de HQs. Então descobrimos que o grupo que Negan coordena, os Salvadores, lançou a hashtag #somostodosnegan, e dessa maneira, começou o suspense para a aparição do Negan de verdade, o que só acontece no último episódio, claro. Essa foi uma decisão acertada, pois criou um crescendo muito envolvente em que as batalhas ficaram cada vez mais elaboradas em comparação com as outras temporadas no que diz respeito à táticas de guerra. Parte desse crescendo é mostrar Alexandria como um lugar seguro e o grupo de Rick os melhores guerreiros desse mundo apocalíptico. Ledo engano, como pode ser visto no último episódio.

lucille-the-walking-dead.png

E por falar em último episódio, a season finale foi bastante digna. Bem desenvolvida e com muito suspense culminando finalmente na aparição de Negan em uma cena de tirar o fôlego e deixar o mais empedrado dos corações sentindo alguma espécie de desconforto, tamanha foi a pressão psicológica. A única coisa que me incomoda, e aqui ouçam a voz de um apaixonado pelo formato de séries originais Netflix, os cliff hangers pontuais me chateiam um pouco, porque, no fim das contas, sabemos exatamente como a temporada vai acabar antes do fim do episódio, e isso já denuncia o início e a sequência da próxima temporada. Vá lá que isso cai, um pouco, na conta da fórmula que TWD resolveu assumir, mas o formato televisivo também ajuda. Enfim, estou aguardando surpresas para a 7ª temporada, mas não tenho muitas esperanças.

***

Leia Também

Nossas primeiras impressões sobre Fear The Walking Dead, spin off de TWD

E as nossas primeiras impressões sobre o hilário Ash vs Evil Dead

 

 

The following two tabs change content below.
Hippie com raiva.