Resenha | The I-Land (2019): pretensiosa em ser oca

Quem não gosta de uma boa trama de mistérios capaz de envolver facilmente, não é mesmo? Poucas são as respostas, mas só o caminho em meio a tantas incógnitas já torna a experiência um prato cheio a se degustar. Como esquecer  “The Leftovers”, “Lost”, “Orphan Black”, “Fringe”, Under the Dome,Legion”, sendo que elas construíram o apelo para o público driblando tão bem o suspense, sci-fi, filosofia e religião sem deixar fraquejar? Claro que a nova aposta da Netflix, “The I-Land” tinha um intuito de ser misteriosa, sagaz, instigante num número limitado de episódios, mas, acima de qualquer recurso que a enriquecesse, ser pretensiosa foi como determinar a própria sentença.

Título: The I-Land
Ano: 2019
Criação: Neil LaBute
Estrelas: 1/5

O que você faria se acordasse numa ilha, sem nem ao menos lembrar do seu nome, ao lado de outras nove pessoas? O desespero pode ser a reação imediata, mas em “The I-Land”, colocar dez desconhecidos em um lugar isolado e com zero motivo aparente é semelhante a um reality show tão pobre que só sabe esbanjar um roteiro calculado e resultado tosco.

Assim se inicia a minissérie da Netflix, e antes de qualquer tentativa minuciosa para tornar o enredo atraente, o programa já se sabota. Nem dá tempo para se especular e muito menos o mistério se instaurar (e pra quem assistiu o trailer a coisa só piora) o espectador é surpreendido por um leque de personagens desinteressantes com suas personalidades manjadas conversando sobre uma trama também manjada tornando tudo um porre de assistir.

Sabe quando alguém quer se gabar e arranja o jeito mais ridículo possível? Bem, “The I-Land” faz assim, a diferença é que você não vai precisar disfarçar a expressão de “para que tá feio”, pois essa empreitada da Netflix acredita mesmo no desempenho de seu material mal executado.

Natalie Martinez como Chase.

E fica ainda mais lamentável quando nem mesmo a protagonista Chase (Natalie Martinez) escapa da chatice que são os personagens, pois ela é quem carrega o fardo de ter de perceber as coisas estranhas mais rápido, querer fazer alguma coisa a respeito, enquanto os outros preferem se banhar na praia. É chocante o fato de que terão que buscar recursos para sobreviverem, vestindo a mesma roupa com que acordaram não ser nenhum motivo para questionarem o porquê de estarem numa ilha.

A julgar pelas migalhas de informações que surgem, parecia que os dez desconhecidos teriam uma árdua missão para cumprir no local, até baterem de frente com a realidade em que se encontram. Mas a verdade é que “The I-Land” se perde rapidamente no que vai introduzindo, tornando detalhes que poderiam dar um norte para trama em meras coincidências e contextos sem sentido.

O mais engraçado é que a minissérie é mais uma daquelas histórias que estão ruins, mas o público continua acompanhando na expectativa de que valerá a pena. A caminho do segundo tempo, a oportunidade de abranger a mitologia aparece, mas o problema é que a atração não sabe transitar no próprio universo sem soar superficial, e para cada porta que se abre, é como se estivesse gritando o quanto é espetacular. Mas de fato é: presunçosa, oca, atiçada, formulada, apática e leviana.

O último grito que resta vem do público ao perceber que a ideia aqui era realmente muito boa, mas que carece de uma direção mais habilidosa para tornar o resultado mais proveitoso. O porquê de dez pessoas estarem numa ilha já é uma ponta curiosa, e a reflexão por trás de um conteúdo raso e duvidoso era sim poderosa e relevante, contudo, a série se permitiu cair nas graças de uma construção vista em tantas obras.

Apesar dos fraquejos, é manifesta a mensagem de que na falta de arrependimento, o homem tem a tendência de se auto corromper pelas próprias inclinações de outrora, e que tendo o arrependimento, se tem a chance de recomeçar para melhorar. E ainda mais fascinante, é que a coisa toda é sobre a possibilidade de reintegração.

O frustrante é que, em sete episódios, “The I-Land” percorreu por uma trilha tortuosa, repleta de incoerências, fantasiadas de uma trama “complexa” que mais conseguia irritar do que empolgar.

The following two tabs change content below.

Felipe Oliveira

Gosto de tudo um pouco, mas me limito em não arriscar muito e talvez escrever seja o meu momento mais sincero no qual posso expor minhas ideias e pensamentos.