Referência: Freaks and Geeks e a Má Reputação (1999-2000)

“- Nós não somos adultos. Nós somos crianças até completarmos 18 anos.
– Talvez você seja, mas quando eu atingi os 13 anos, eu me tornei um homem.
– Isso é só no seu templo, Neal, não no mundo real.”

freaks-and-geeks-52c6ba777cfda

Recentemente foi disponibilizada na Netflix a série Freaks and Geeks. Como o próprio nome diz, ela mostra o cotidiano dos alunos do colégio Liceu McKinley, divididos entre os freaks, baderneiros e irresponsáveis, e os geeks, estudiosos e “certinhos”.

As peças- chave da série são os irmãos Lindsay Weir (Linda Cardellini) e Sam Weir (John Francis Daley). Lindsay era membro dos Matletas, um grupo de competidores de matemática, mas depois da morte de sua avó, ela muda os hábitos, deixando de ser uma completa geek (a galera nerd), para fazer parte dos freaks (a galera da vibe errada). Ela se torna amiga de Daniel Desario (James Franco) e a namorada dele Kim Kelly (Busy Phillips), Ken Miller (Seth Rogen) e Nick Andopolis (Jason Segel), com quem ela teve um rápido relacionamento.

large (2)
Os freaks

Já Sam é um dos geeks, e assim se mantém. Ele tem como melhores amigos Neal Schweiber (Samm Levine) e Bill Haverchuck (Martin Starr), além de em alguns episódios aparecer na companhia de Gordon Crisp (Jerry Messing) e Harris Trinsky (Stephen Lea Sheppard). Como toda série adolescente, essa mostra todos os problemas e dúvidas inerentes a essa fase; drogas, sexo e relacionamento familiar e a busca por uma identidade são a base dos episódios.

o-martin-starr-freaks-and-geeks-facebookjpg-44fd47_1280w
Os geeks

É a partir da família que começamos a entender o porquê dos freaks serem da forma que são. O pai de Nick é ex membro do exército e trata seu lar como um quartel. Kim mora com a mãe e o padrasto, extremamente encrenqueiros – além do seu irmão que, após um acidente, passa os dias dormindo no sofá. Ainda temos Daniel, que vive com os pais em uma situação precária, é afetado pela mãe quase histérica por cuidar de seu pai doente. E como a família de Lindsay e Sam é socialmente normal, estruturada, alguns dos freaks, como Nick e Kim, buscaram neles algum tipo de apoio. Kim aparecia na casa dos Weir algumas vezes para espairecer, e Nick depois de uma briga com o pai passa alguns dias lá. No caso de Nick o apoio foi um pouco mais forte, já que o pai de Lindsay se identificou com o garoto e deu conselhos para ele, como não abandonar sua paixão por tocar bateria, por exemplo.

Confesso que meus preferidos da série são os geeks por serem tão ingênuos quanto inteligentes, e responsáveis por alguns dos melhores momentos da série. Enquanto estava grávida de Bill, a mãe dele abusou de bebidas alcoólicas, e isso fez com que o garoto tivesse alguns problemas de saúde, e um deles era a intolerância a amendoim. Um dos episódios mais emocionantes foi quando ele comeu por acidente um sanduíche com amendoim, uma brincadeira de mau gosto por parte dos “valentões” da escola, e ficou em coma. Outro momento, porém divertido, foi quando Sam teve suas roupas roubadas e teve que correr pelado pela escola. Além disso os diálogos deles eram cheios de reflexões sobre o “eu”, sobre não aceitar ou aceitar quem eles eram. Mas o diferencial, é que tudo era feito de forma tão sutil, tão ingênua, e engraçada que acabávamos “filosofando” sem perceber.

Além de personagens carismáticos e temas pertinentes, Freaks and Geeks ainda contava com um “quê” a mais: a trilha sonora. A trama se passava no início dos anos 80, época auge do rock n’ roll, e a música de abertura da série era justamente Bad Reputation, da Joan Jett. Além dela, outros artistas figuravam na trilha sonora, como Van Halen, Deep Purple, Santana, Janis Joplin, Kiss, Rush, Kansas, Queen, The Who, David Bowie, dentre outros.

Além de sua ótima premissa em si “Freaks and Geeks” teve em seu elenco alguns nomes muito famosos hoje em dia. James Franco, que viveu Daniel Desario, no mesmo ano estreou no cinema em Nunca Fui Beijada (1999), e depois fez alguns papéis importantes em O Homem-Aranha (2002), Tristão e Isolda (2006) e 127 horas (2010) pelo qual recebeu indicação ao Oscar.

Além de Franco, temos ainda Jason Siegel, que interpreta Nick na série e foi o divertido Mashall em How I Met Your Mother (2005), e atuou no cinema em Ressaca de Amor (2008) e Os Muppets (2011). Seth Rogen, que fez o papel de Ken, atou em Donnie Darko (2001), O virgem de 40 anos (2005) e Ligeiramente grávidos (2007). E claro que os muitos filmes que esse grupo fez juntos em seguida não são à toa: o bando, o qual é encabeçado por Judd Apatow desde o  Virgem de 40 Anos, já anda junto desde o início de carreira. É o Fim, inclusive, põe essa galera toda junta numa trama bizarra de apocalipse de famosos.

freaks_and_geeks_rect-1.jpg
Kim Kelly, James Franco, Linda Cardellini, Jason Siegel e Seth Rogen, todos antes da fama.

A temporada curta que o show durou foi o suficiente para dar a ele o status de cult, e é referenciado até hoje em diversas listas de “melhores séries de…”. Como conteúdo, ela não funciona tanto como retrato de uma época, mas um esboço atemporal de todas as seguranças que perpassam a adolescência e o início da vida adulta. Desta forma, é impossível não se identificar em algum momento com os personagens: todos nós nos sentimos inadequados em algum momento enquanto crescíamos – e talvez ainda nos sintamos.

O sentimento de inconformidade e desconforto com a norma que os freaks sentem ainda pode coçar dentro de nós quando sentamos à mesa do escritório; o gosto e obsessão por cultura pop ou trens e aviões pode ocorrer quando você está no meio de uma boate e algo te lembra sua HQ ou seu Boeing favorito. Todas aquelas características que muitas vezes tivemos que escolher guardar dentro de nós na adolescência ainda estão lá, e vê-las em nossa TV faz, muitas vezes, que nos reconciliemos com o passado que renegamos em nome de “sermos legais” e nos sentirmos aceitos.

tagged-james-franco-daniel-black-flag-rise-above-freaks-and-geeks-GPS9bz-quote.png

E assim explica-se o status cult de uma série que foi cancelada ainda na primeira temporada com apenas 18 episódios por baixa audiência. Freaks and Geeks é divertida e cínica; se você assiste enquanto adolescente, vai se identificar em vários aspectos, e se assiste enquanto adulto… Também. E cá entre nós: não há problema algum. Dane-se nossa má reputação.

 

The following two tabs change content below.