Primerias Impressões: BoJack Horseman (3ª Temporada)

A mídia como um todo, desde as temporadas anteriores, vem dizendo que BoJack Horseman é a série mais depressivamente engaçada da atualidade, ou mais comicamente triste, como preferir. Isso reflete muito bem sua abordagem como um todo e a terceira temporada chegou tão boa quanto as anteriores.

13731648_1051973464918605_7600751738235431184_n.jpg

Ao fim da segunda temporada, BoJack havia recebido uma grande lição de vida que o ajudaria, aprendendo cada vez mais a cada momento e vivendo um dia de cada vez. Esse seria o curso normal de uma história qualquer, mas esse cavalo é tão humano que não se nega ao privilégio de ignorar completamente tudo o que ele possa ter aprendido e seguir fazendo uma besteira atrás da outra.

13709890_1052804214835530_8646967161608543972_n.jpg

Porém, uma diferença interessante da terceira temporada para as demais é que, anteriormente, parecia não haver salvação para ninguém; todos os personagens estavam errados a respeito de alguma coisa, assim como BoJack. Talvez as únicas exceções para isso sejam Todd e Mr. Peanutbutter, mas, vale lembrar, que eles são exceção para absolutamente qualquer coisa. Dessa vez, Diane está tentando consertar seu casamento e Princess Carolyn começou a colocar sua vida nos eixos com a nova agência.

Em contra partida, BoJack se vendeu completamente para a campanha de marketing do “seu” filme, buscando cegamente um Oscar para preencher o vazio existencial e ficar marcado de maneira relevante na vida das pessoas, além de excluir da memória de todos sua participação num programa de gosto duvidoso dos anos 90.

13669132_1046946978754587_8891640528642613241_n

O que BoJack Horseman continua fazendo com excelência é mostrar, de maneira bastante existencialista, a essência da humanidade, em tudo que pode haver de melhor ou do pior. Inclusive, na maioria das vezes, ao mesmo tempo.

 

The following two tabs change content below.
Hippie com raiva.