Outras Frequências #03 – Nel Blu Dipinto Di Blu

Música: Nel Blu Dipinto Di Blu
Composição: Franco Migliacci e Domenico Modugno
Intérprete: Domenico Modugno
Álbum: La Strada dei Successi (1958)

Quem escuta todo aquele clima gitano com o flamenco dos Gipsy Kings e os vocais roucos a plenos pulmões do vocalista Nicolas Reyes na música Volare, não consegue ficar parado. Seja batendo palma pela empolgação ou simplesmente cantando o refrão enrolando a língua achando que está saindo o mais fluente espanhol, não importa. É uma música com o astral lá em cima.

Mas se engana quem pensa que um dos maiores sucessos do grupo musical francês – sim, Gipsy Kings foi formado na França – é de autoria de algum Reyes ou Baliardo. Na verdade, o verdadeiro nome da música é Nel Blu Dipinto Di Blu e tem sua raiz italiana. Foi composta por Franco Migliacci e Domenico Modugno.

Nel Blu Dipinto Di Blu 1

Interpretada por Modugno, a canção foi a representante da Itália no Festival Eurovisão da Canção em 1958, vindo a ficar na terceira colocação deste. Mas, frente a esse resultado, a passagem bíblica em que diz que os últimos serão os primeiros nunca fez tanto sentido. Isso porque a música vencedora, Dors, Mon Amour, que era a representante da França, caiu na obscuridade, ao passo que a canção italiana ficou conhecida por todo o mundo.

Neste mesmo ano, Modugno venceu três prêmios Grammy – canção do ano, melhor interpretação masculina e álbum do ano -, sendo Nel Blu Dipinto Di Blu a primeira e única música de língua estrangeira a conseguir tal feito até hoje.

Nel Blu Dipinto Di Blu 2

Diferente da versão da versão dos Gipsy Kings extraída do álbum Mosaique (1989) que conta com um ritmo todo caliente e agitado, a versão de Modugno é mais cadenciada, bem no estilo chanson – estilo musical surgido na França no período renascentista –, que lembra muito o jeitão romântico das músicas de Charles Aznavour.

Tem como inspiração para a letra duas versões, onde de acordo com Modugno, reflete a descrição do sentimento de voar juntamente com a sua amada. Em contrapartida, Franco Migliacci diz que a música foi a forma mais bonita que achou para descrever o pior pesadelo que teve na vida. Bom, seja qual for a real explicação e inspiração para esta canção, o que importa é que do resultado surgiu uma das mais belas canções de todos os tempos.

Tá explicado por que é uma das 1001 músicas que temos que ouvir antes de morrer?

The following two tabs change content below.
Do cult popular ao pop culto: PontoJão é o lugar para você ir além do senso-comum. Seu ponto além da curva.