O Rei Amarelo (2015)

reiamarelo-capa-72.jpg
Compre o seu clicando aqui

Livro: O Rei Amarelo em Quadrinhos

Autor: Coletânea

Ano de Lançamento: 2015

Edição: 2015

Editora: Draco

Há quem ainda diga que não existem quadrinhos de qualidade feitos no Brasil. Com O Rei Amarelo em mãos, e com diversos outros exemplos de vários outros autores nacionais que pretendo trazer para o PontoJão, sou sempre o cara que diz “não” para essa afirmação. Temos muito o que aprender e evoluir ainda, mas as evidências indicam que estamos no caminho certo. Dito isso, o que temos em mãos aqui é um excelente conjunto de quadrinhos de terror baseados na obra de Robert W. Chambers, O Rei em Amarelo (The King in Yellow) de 1895. Quem lembra do editorial que fizemos no lançamento da obra durante o FIQ do ano passado?

A coletânea traz 8 histórias em quadrinhos escritas e desenhadas por  14 pessoas entre desenhistas, escritores e desenhistas-escritores. Apesar de as histórias não terem nenhuma ligação entre si (a não ser a base na obra de Chambers), elas são extremamente coesas em suas características fazendo com que mesmo quem não conhece os contos originais possa ir entendendo as referências dentro das releituras em quadrinhos, sendo assim a curiosidade pela obra original aumenta a cada página passada, e a compreensão dos quadrinhos não é afetada pelo fato de não saber do que se trata O Rei em Amarelo.

capa -rei-amarelo

O conteúdo das histórias é a paranoia e maldade humana que é trazida à tona através do contato com uma peça de teatro em dois atos chamada O Rei Amarelo. Entretanto, na releitura em HQ essa peça mágica, que evoca o pior das pessoas,  aparece ambientada em locais e tempos diferentes, podendo assumir a forma de uma rede social, influenciar críticos literários ou personagens históricos, etc. A conclusão disso é que, apesar da temática central ser a mesma em todas as histórias, cada uma delas observa a obra mãe sob um prisma diferente e em seguida nos oferece uma faceta diferentemente inusitada da loucura.

Por fim, diria que todas as histórias são igualmente boas e têm artes bastante competentes, o que é excelente em se tratando de estarmos falando de autores jovens que provavelmente estarão ainda por alguns anos produzindo suas melhores obras. Em geral, fiquei com as vistas meio amareladas depois de ler tanta carnificina, escatologia e infanticídio. Espero que te aconteça o mesmo.

LEIA TAMBÉM:

Falando em FIQ, olhem nossa Cobertura do FIQ (Festival internacional de quadrinhos)

Vejam também como amamos a Graphic MSP

E o quanto o Caio ama o Valente

 

The following two tabs change content below.
Professor, redator, editor-chefe deste site. Sou um cosplay de baixo orçamento de mim mesmo. Parceiro do Erik no PontoCast e host do BancaCast. Não sei qual é o meu animal interior, mas não é uma chinchila.