O Nevoeiro (2008)

“Tem alguma coisa no nevoeiro!”

neveiro

Título: O Nevoeiro (“The Mist”)

Ano: 2008

Diretor: Frank Darabont

Pipocas: 8,5/10

Num dia incomum você se depara com uma tempestade muito forte, você se abriga e a espera passar. Pela manhã você se vê sem luz e sem sinal de celular; na cidade muita destruição causada pela tempestade e também muitas pessoas nas ruas buscando suprimentos, pois não se sabe até quando ficarão sem luz. Eis que ao longe um nevoeiro se aproxima e vindo dessa direção um homem ferido grita “tem alguma coisa dentro do nevoeiro!”. Todos se abrigam num supermercado e a névoa os alcança: uma névoa que te impede de enxergar a um metro de distância. Sem eletricidade, sem telefone e com a iminência de perigo a frente, o que fazer?

assO filme é baseado num conto de Stephen King (não preciso descrever o gênio do horror fantástico). A trama gira em torno do pai do ano David Drayton (Thomas Jane, o “Justiceiro”), enquanto tenta proteger seu filho a todo custo, além de proteger as pessoas ao seu redor e descobrir o que está acontecendo enquanto sobrevive aos perigos do nevoeiro. Muita coisa pra uma pessoa só? Sim, assim que é a vida. Mas o filme não é sobre uma relação pai e filho; ele aborda o lado psicológico dos personagens pondo a prova o instinto humano de sobrevivência. Enquanto uns permanecem céticos, outros buscam a razão, e há aqueles que se confortam com a religião.

O filme é uma mistura de terror e suspense: uma hora você torce pelos personagens e contra outros, contra a névoa que esconde os monstros e pelo milagre que pode salvar essas pessoas. Não é pra menos, já que esse é o mesmo diretor de “À Espera de um Milagre” e o criador da série de TV “The Walking Dead”. Também não pude deixar de me lembrar do jogo Silent Hill, não só pela névoa e pelas criaturas estranhas, mas pelo fato de que a cada reviravolta no filme ou cada esquina no jogo há um novo problema sem explicação, e cada vez mais você se pergunta como isso vai terminar. Não é mera coincidência, pois o conto favorito do desenvolvedor do jogo é o mesmo sobre o qual o filme foi feito.

ass2Falando em finais, e como não gosto de spoilers, não contarei o final do filme, mas deixarei minha sincera opinião. Melhor-pior e mais dramático final de filme que eu conheço. A carga dramática é palpável e com apenas trocas de olhares você sabe o que acontece em seguida, com uma resolução ainda mais chocante. Não importa quantas vezes eu veja, eu não consigo aceitar esse fim. O que me marcou desse filme? Não há uma vez que eu veja um nevoeiro sem ter um arrepio na espinha.

E eu me despeço com uma nova visão de um antigo dito popular: serração que baixa, nem sempre é sol que racha.

The following two tabs change content below.
Do cult popular ao pop culto: PontoJão é o lugar para você ir além do senso-comum. Seu ponto além da curva.