Nanatsu No Taisai: The Seven Deadly Sins

The Seven Deadly Sins é um mangá japonês escrito e ilustrada por Nakaba Suzuki. O Mangá foi lançado em outubro de 201, e no Brasil o mangá é publicado pela Editora JBC desde março de 2015. Porém não é do mangá que eu venho falar aqui hoje, mas sim da animação feita pela A-1 Pictures e adaptada para o Ocidente pela tão amada Netflix.

Para começar a adaptação está perfeita e muito fiel à obra original. A produtora conseguiu realçar os fortes do mangá com as lutas dinâmicas e animação muito boa. O outro ponto forte é o grande trabalho de dublagens japonesas, americana e brasileira. É muito raro encontrar trabalhos que conseguem manter uma regularidade nas dublagens. Todas as vozes, com exceção da do Capitão dos Sete Pecados o Dragão da Ira, Fabrício Vilaverde, (que tem uma voz mais adulta, mas que ainda encaixa bem com o personagem) condizem com as vozes da versão original.

nanatsu-no-taizai

Agora aos comentários que interessam. The Seven Deadly Sins se passa em uma versão Fantástica da Grã-Bretanha Medieval, séculos depois de uma guerra onde Humanos juntaram forças com as raras raças de gigantes, fadas, druidas e as antigas deusas para banir e selar os perigosos demônios. A história gira em torno da Princesa Elizabeth, Érika Menezes, que descobre uma conspiração contra o Reino de Liones e parte à procura dos 7 Pecados Capitais que eram tidos como os mais poderosos e perversos Cavaleiros da história de Liones, um grupo formado pelos mais perigosos criminosos do reino. Elizabeth, que vagava pelo reino disfarçada como um cavaleiro, chega a Taverna Chápeu de Porco e lá encontra o primeiro dos 7 Pecados, O Dragão da Ira e Capitão Meliodas que agora se passava por taverneiro.

A história passa a introduzir com o tempo mais 5 dos outros 7 pecados, tendo o Leão do Orgulho ainda não revelado no Anime. Os 7 pecados e Elizabeth se juntam para tentar terminar o caos causado pela conspiração que girava ao redor do reino de Liones e isso faz com que a história fique bem interessante.

Porém o anime conta com algumas coisas que atrapalham um pouco o correr da história. A construção do romance entre Meliodas e Elizabeth é um tanto forçada, apesar de ter bons momentos e o uso repetitivo do caráter pervertido dele cansa um pouco com o passar do tempo.

Mas a trama construída ao redor dos personagens é um grande forte do anime. Com grande destaque pra história envolvendo a Raposa da cobiça Ban e o Urso da Preguiça King, que sempre oscilam entre grandes amigos e grandes inimigos na história, devido à diferença de personalidade deles. A personalidade de cada um por si só também é um grande ponto forte na história. Cada um deles possui traços únicos e marcantes que cativam bastante o público. A serenidade de Meliodas, a eterna dedicação de Ban e o constante arrependimento de King são exemplos dessas marcas.

King_stabbing_Ban_in_the_chest

Se tudo isso que foi escrito ainda não foi o suficiente pra dar a esse incrível anime uma chance, então vale uma última observação. A trilha sonora do anime é um espetáculo à parte no meio da animação. As músicas foram feitas de um modo que reforçam muito bem os momentos, sejam de ação ou de drama, desde a maravilhosa e animada abertura até o marcante encerramento.

No geral The Seven Deadly Sins é uma história muito boa que encerrou apenas sua primeira temporada e tem muito espaço para crescer. É uma grande recomendação para quem gosta de aventuras e ações mas que não tem paciência para acompanhar histórias que beiram os 100 episódios ou até mesmo passam disso.

The following two tabs change content below.
Do cult popular ao pop culto: PontoJão é o lugar para você ir além do senso-comum. Seu ponto além da curva.