Resenha | Medo Profundo (2017) – desafie, afunde e sobreviva

Piranhas, crocodilos, cães, ratos e aranhas são ,com certeza, alguns animais que transitaram sobre a Sétima Arte com a fama de predadores famintos. “Piranhas”, “Crocodilo”, “Cães Assassinos”, “Malditas Aranhas” são títulos que exemplificam esse contexto. Aqui, em “Medo Profundo”, o vilão é um tubarão, que também é um ícone do cinema. A começar pelo clássico SharknadoTubarão”, de 1975, marcado por ser intenso e assustador sem mostrar muito a figura do animal. Recentemente, o filme dirigido por Jaume Collet-Serra, “Águas Rasas” caiu nas graças do público e crítica ao trazer a surfista Nancy (Blake Lively) sendo atacada por um tubarão numa ilha isolada.

medo profundo

Título: Medo Profundo (“47 Meters Down”)

Diretor: Johannes Roberts

Ano: 2018

Pipocas: 6,5/10

Um dos aspectos que fez de “Águas Rasas” um filme tão bem-vindo, foi abordar a luta pela sobrevivência e não ficar apenas no raso (hehe) e instaurar o terror em uma película de excelente qualidade. Não muito diferente disso, o mais novo lançamento, “Medo Profundo”, arrisca mais uma vez sobre a mesma temática de sobrevivência, trazendo o icônico tubarão como vilão para desenvolvimento de sua fraca história.

As irmãs Lisa (Mandy Moore, de “This Is Us“) e Kate (Clarie Holt, a Rebecca da série “The Originals“) estão em uma viagem de férias no México. Enquanto Kate desfruta positivamente da viagem, Lisa esperava causar algum tipo de incômodo para o seu namorado, que a largou. Num momento de curtição, ambas conhecem Louis (Yani Gellman) e Benjamin (Santiago Segura, o Stavo da segunda temporada de “Scream”) e topam participar da aventura de ficar a 7 metros de profundidade no oceano presas numa gaiola para observar tubarões por alguns minutos. O que não contavam era que o cabo que segurava a gaiola partiria, levando a gaiola a 47 metros de profundidade, fazendo-as buscar um meio de sobreviver ao terrível acontecimento.

O desenvolvimento dos personagens principais foi breve e preciso – os outros não acrescentaram em nada para a trama -, mas ao mesmo tempo soou como um típico arco teen de um filme de terror. Moore e Holt estão excelentes em seus papéis, mas as suas personagens não deixaram de apresentar histórias vagas com cara de mesmice, dificultando o apego com o pouco que foi relatado. Uma é destemida, a outra insegura. Tudo isso para que nos importemos com a situação de risco em que são colocadas e que essas diferenças possam promover um momento de redenção para as duas irmãs. Mas não chega nem perto.

Foi chato, repetitivo, previsível e sem profundidade nenhuma para que realmente se criasse um momento de tensão pessoal enquanto o terror se desdobrava. Tudo o que “Medo Profundo” tentou foi trazer um personagem assassino conhecido como “pano de fundo para o desenvolvimento” com abordagem “diferente” sem soar chato, sendo que pretendia explorar isso num longa de pouca duração. Novamente, voltou a pecar.

A missão e intenção aqui foi simples: provar que é possível explorar outros meios para instaurar o medo, o terror, o pânico, a insegurança, a tensão, a vulnerabilidade e a insegurança de um jeito familiar e conhecido do seu público, trazendo temíveis tubarões brancos como pano de fundo. Enquanto “Medo Profundo” alcançava todos esses aspectos de maneira cautelosa, dialogava sobre a perseverança e sobrevivência de suas personagens.

Se “Medo Profundo” é ou não o melhor filme de terror com tubarões, é um mistério. Mas o seu raso feito, com acertos e tropeços, e uma bela fotografia garantiu uma sequência para 2019 – se tornará uma trilogia sobre os perigos das aventuras marítimas? – que se passará aqui no Brasil, em Recife, com uma trama que promete ser bastante ambiciosa e claustrofóbica.

OBS: “Medo Profundo” se encontra em cartaz nos cinemas. Se o gênero e a temática são a sua praia, uma agradável e tensa história te aguarda.


Já conferiu o filme e gostou ou nunca ouviu falar? Nos conte nos comentários ou no nosso grupo do Facebook ou do Telegram.

The following two tabs change content below.

Felipe Oliveira

Gosto de tudo um pouco, mas me limito em não arriscar muito e talvez escrever seja o meu momento mais sincero no qual posso expor minhas ideias e pensamentos.