Comentário: Daredevil (2ª Temporada)

“É cedo demais para falar que esta segunda temporada vai superar a primeira (embora eu já o tenha dito; dane-se).” Isso foi o que o Erik disse quando fez as primeiras impressões sobre a nova temporada de Demolidor. Agora, gostaria de abrir o comentário final sobre a temporada dizendo que, enquanto a primeira temporada havia sido incrível, a segunda é simplesmente maravilhosa, com tudo o que é de direito: tiro, porrada, bomba, romance, ninjas (muitos ninjas), conspirações, julgamentos… Enfim, muito provavelmente satisfez fãs de quadrinhos, fãs de séries e fãs de cinema, além de angariar e fidelizar público novo.

Daredevil-Netflix-770x490

Com uma campanha de promoção muito bonita, competente, e surpreendentemente reveladora, antes de embarcarmos na segunda temporada já sabíamos que nos encontraríamos com dois personagens “novos”. As aspas são válidas porque, apesar de aparecerem pela primeira vez na série, todo fã de quadrinho sabe da importância de Elektra Natchios para o Demolidor, assim como ele já tremeu ao ouvir o nome de Frank Castle, o Justiceiro. A princípio, fiquei bastante contente com a vinda do Justiceiro para a série, pois, apesar dos dois filmes e do curta dele serem razoáveis, o personagem ainda não havia recebido uma adaptação irrepreensível, o que, felizmente, aconteceu nessa temporada. Inclusive, a escolha de Jon Bernthal para o papel mostrou-se mais acertada a cada cena. Élodie Yung, atriz francesa que viveu Elektra, também se saiu muito bem, principalmente nas cenas de luta, em que ela deve ter usado suas habilidades de anos praticando karatê.

Ellie

A apresentação de Castle e Elektra é feita ao longo dos episódios, gradativamente, de maneira que a audiência vá juntando as peças do quebra cabeça. A exceção é apenas o relacionamento de Elektra e Matt, que tem seu momento flashback mais prolongado. Essa é uma das opções que faz com a série flua com mais naturalidade, deixando o público cada vez mais instigado. Os cliffhangers não foram perdoados nessa temporada, assim como as vítimas do Justiceiro, que sofreram as mortes mais gráficas possíveis. Inclusive, a forma como todos os personagens do núcleo de fantasiados se relaciona com a violência é um ponto chave e de deliciosas análises, como os diálogos do Demolidor e do Justiceiro sobre a eficácia de seus métodos (to kill or not to kill?). Jon Bernthal, inclusive, chegou a declarar que espera que seu personagem faça com que as pessoas pensem melhor sobre  porte de armas de fogo. E além da tensão entre os brutos, há também a tensão sexual que Matt e Elektra transpiram ao lutarem juntos, ou um contra o outro, numa espécie de relacionamento permeado pela violência e por vezes abusivo (da parte dela para ele).

Com várias coisas entranhas acontecendo em Hell’s Kitchen, Murdock é obrigado a passar mais tempo fardado e, naturalmente, isso faz com que suas atividades como advogado, amigo do Foggy e pretendente da Karen fiquem prejudicadas, criando um interessante pequeno inferno astral e fazendo com que seus relacionamentos fiquem num momento um pouco nebuloso. Por outro lado, ao mesmo tempo em que isso acontece, Karen Page arranja tempo para assumir o lugar de Ben Ulrich e se transformar na repórter/jornalista que está envolvida em absolutamente todas as confusões da cidade, o que se torna algo extremamente interessante se levarmos em consideração que ela não é, exatamente, a mocinha que precisa ser salva.

karen-page-Demolidor

A palavra chave para o fim dessa temporada é “completa”: tudo o que se poderia esperar de uma série do Demolidor, incluindo participações do Justiceiro e da Elektra. É simplesmente delicioso ver como a produção de Daredevil tem sido cuidadosa ao adaptar do quadrinho para série sem perder o que há de essencial nos personagens, além de fazer referências a arcos clássicos, e até mesmo reproduzir uma cena marcante de forma idêntica às HQs. Não acho exagero dizer que, ao fim da temporada, Daredevil pôs um ponto final em tudo o que começou no início, sem se esquecer de dar margens para muito mais coisas que estão por vir – as quais esperaremos ansiosamente.

***

Leia Também:

A Queda de Murdock, e entenda por que queremos isso para a série

House of Cards, a outra série do momento na Netflix

Banca Cast #01 nosso papo mensal sobre quadrinhos