Boku no Hero Academia (2016) e a Autossuperação

A superação é tema extremamente comum em mangás shonen, mas poucos possuem a mesma abordagem de “Boku no Hero Academia”. Enquanto a maioria das séries foca no poder da amizade e em superar seus problemas através de trabalho em equipe, como “Naruto” e “Katekyo Hitman Reborn!”, os personagens do mangá de Kohei Horikoshi focam na autossuperação. Além disso, ao invés desta superação ser apenas em prol de ficar forte para derrotar um novo inimigo – vide Dragon Ball Z e Bleach – os personagens de “Boku no Hero Academia” se esforçam para cumprir seus objetivos de vida. Nós e os adolescentes, somos constantemente lembrados de que esforço e superação são a chave para chegar nestes objetivos, enquanto atitudes em que estudantes tentam tirar vantagem de outros para obter sucesso sem esforços são taxadas como erradas e consequentemente punidas.

Shoto Todoroki, Izuku Midoriya e Katsuki Bakugou

Partamos dos três personagens de maior destaque do anime até então: Midoriya, Bakugou e Todoroki. Todos possuem o mesmo objetivo de serem o “Herói Nº1” e esta ambição é traço marcante das personalidades deles, apesar de se manifestar de maneiras díspares: Midoriya é o mais direto de todos, o garoto almeja ser como seu ídolo, o maior herói do mundo, e salvar inúmeras pessoas durante sua carreira; Bakugou possui um gigantesco complexo de superioridade e ao ver alguém que julga ser extremamente inferior a si buscar o mesmo objetivo, ele considera o ato uma ofensa aos seus esforços e sonhos, tornando sua personalidade tão explosiva quanto seus poderes; já Todoroki, que possui duas Individualidades (gelo e fogo), provindas, respectivamente, de seu pai e mãe, almeja chegar no topo sem usar os poderes herdados de seu abusivo pai, assim, provando que não precisa dele para ser alguém na vida.

Cada um destes garotos se esforça e se supera a cada desafio em sua frente, dando 100% de si para realizarem seus sonhos. Todoroki, nem tanto, afinal, ele só usa parte dos seus poderes até a metade da segunda temporada, mas uma lição de moral dada por Midoriya sobre superação muda o personagem e crava em pedra o quão determinados são cada um dos colegas de sala. Todavia, não é só de “ser o melhor do mundo” que as ambições de “Boku no Hero Academia” se tratam. Uraraka quer sua licença de herói para colocar dinheiro em casa e melhorar a vida de seus pais; Iida deseja fazer jus às expectativas de sua família e assumir o manto de seu irmão; Mineta quer ser famoso, rico e popular com as mulheres etc. Todos precisam diariamente superar seus limites para cumprir seus sonhos. E sabe quem mais precisa fazer isso todos os dias? Todos nós.

Ochako Uraraka

Esta talvez seja a razão de “Boku no Hero Academia” ser um shonen tão relacionável. Todos temos sonhos pelos quais precisamos nos superar todos os dias. Sonhos que nos levarão por caminhos difíceis e repletos de tombos, mas que para conquistá-los precisamos aprender com as quedas, olhar pra frente e continuar andando. Eu sei que nós não somos heróis ou temos super-poderes, assim como também não somos ceifadores de almas, piratas ou magos. Entretanto, nos relacionar com a superação em busca de um objetivo de vida é muito mais fácil do que com a superação em busca de poder para derrotar o atual “ser mais poderoso do universo”.

Boku no Hero Academia

Não que haja nada de errado em ter a superação para vencer inimigos como único mote de uma obra ou com contar com amigos e famílias para superar dificuldades. São objetivos diferentes com abordagens diferentes, todas funcionais, mas nenhuma delas causou o impacto, pelo menos em mim, da autossuperação de “Boku no Hero Academia”.

 


Entre no nosso grupo secreto no Facebook e no grupo do Telegram para interagir com autores dos textos e outros leitores.

The following two tabs change content below.
Aldeão da terra do morango, tokufã de carteirinha e editor dos tronos