Análise | 13 Reasons Why e os porquês dos personagens (Parte 2)

Dando continuidade ao texto anterior sobre os porquês dos personagens de “13 Reasons Why“, vamos lá para análise final. E lembrando: o texto contém descrições para menores de 18 anos e spoilers sobre a segunda temporada, então se você ainda não assistiu, não continue lendo.

Fui citado nas fitas: Alex

Aqui vai outro personagem que o público se apegou facilmente. Assim como Zach, Alex Standall (Miles Heizer) foi um dos que logo mostrou sinais de arrependimento e quis fazer algo a respeito quando soube da sua participação nas fitas de Hannah. A sua culpa foi tanta que tentou o suicídio no final da primeira temporada.

No terceiro episódio da primeira temporada, “13 Reasons Why” tratou sobre um tipo de cultura comum das escolas: a famosa lista em que se faz uma escala de quem é o garoto ou garota mais atraente, lindo, linda, gostoso e gostosa da sala (o que dizer dos rabiscos encontrados nas paredes e portas dos banheiros?). Na lista feita por Alex, Hannah estava no topo, e na fita sobre o que ele fez, Hannah falou sobre a onda de assédios que sofreu porque teve uma parte do seu corpo descrita numa lista. E não menos importante, ela falou por todas as mulheres quando Clay se afastou dela por conta da lista e por achar que ela estar destacada como a que tem “a melhor bunda” era um elogio, o que Hannah rebate, dizendo que ele não entende o que ela diz por ser um homem. Pode parecer que ela generalizou, mas Clay não era – e nem é – um exemplo de homem que percebe os estereótipos machistas e os evita.

Olivia Baker no 1×03.

Hannah teve a bunda apalpada por Bryce porque teve o nome citado na lista. Para Alex, poderia ser apenas uma coisa simples que ele queria fazer, mas as consequências da cultura do assédio para Hannah foram reais. Na segunda temporada de “13 Reasons Why”, o Alex não teve a oportunidade de depor porque não se recordava de tudo o que fez antes de tentar o suicídio, mas foi gratificante ver o seu crescimento por se manter um personagem arrependido, além de ser um excelente acréscimo para o novo ano.

Alex e Zach.

Juntamente com Zach – que criou enorme empatia por ajudar Alex com a sua recuperação porque teve a perna afetada depois que deu um tiro na própria cabeça – acompanhamos o dilema de Alex para relembrar o que fez, e todo o estresse e raiva que enfrentou por ser tratado pelos pais como se fosse digno de pena enquanto via Hannah ser injustiçada no tribunal sem poder fazer nada com as pequenas coisas que lembrava.

Fui citado nas fitas: Kevin Poter

No final da primeira temporada de “13 Reasons Why”, vimos que Hannah tentou falar com alguém depois que foi estuprada por Bryce, e esse alguém foi o conselheiro da escola, Sr. Poter (Derek Luke). Hannah já adentrou na sua sala preparada com o gravador, disposta a tentar a última ajuda antes de então se matar. Em suas palavras, a única esperança dela para que a fizesse desistir da ideia dependeria do que conselheiro lhe diria.

Ela tentou falar de um jeito receoso, mas logo foi abatida com as palavras mal colocadas e insensíveis do Sr. Poter, Instaurando a insegurança para Hannah. A última coisa que ela ouviu foi que se ela não tinha certeza do que aconteceu e de quem foi o agressor, era melhor seguir em frente. O que tivemos a seguir, foi a forte cena gráfica da Hannha tirando sua própria vida, dando início à onda de polêmicas.

Aqui, na segunda temporada, acompanhamos o Sr. Poter tentando e se forçando a todo tempo compensar a sua negligência para com Hannah. E como Jessica disse para ele “você acha mesmo que pode ser útil agora?”. Ele estava envergonhado e se esforçava, mas não sabia se aproximar de um jeito que não oprimisse os alunos, mas uma coisa ele tinha certeza: a consciência de que foi desleixado e que poderia fazer mais.

No seu emocionante depoimento no tribunal, com o favor da narrativa introduzindo os diversos pensamentos que ele teve imaginando as várias maneiras que ele poderia ter impedido Hannah de sair de sua sala, ele diz que poderia ter feito mais e agido de forma diferente por Hannah. Ali tivemos a redenção do personagem e mais um enorme feito para uma temporada – que já se encontrava mais questionável a cada episódio.

Fui citado nas fitas: Bryce Walker

Na fase final da temporada, vamos para mais um exemplo de contradição de “13 Reasons Why” com o exemplo de personagem que preferiu, assim como Marcus, distorcer a verdade ao invés de assumir o que fez.

Neste texto eu já falei que Bryce foi a pessoa que apertou a bunda de Hannah por conta da lista feita por Alex, também da informação de que Marcus deu no seu depoimento (que Hannah queria namorar Bryce), certo? No episódio onze desse segundo ano, o foco foi para o depoimento de Bryce. A essa altura, o que o público queria era tão somente justiça pelas suas vítimas, e o que a temporada já tinha estabelecido era o comportamento violento de Bryce ao ter relações sexuais com a namorada Chloe (Anne Winters), assim como a cultura de levar garotas para um espaço atrás do campo de esportes da escola (o chamado “O Clube”) e lá, a induzirem-nas a ingerir álcool, drogas e depois violentá-las – inclusive sua namorada. Como se não bastasse, tivemos a nojenta cena dele tendo uma ereção ao lembrar do que fez a Hannah.

Bryce e Chloe.

O Clube funciona como outro fator que aponta para a negligência da escola, por ser um espaço que era palco de atividades questionáveis e ninguém ter conhecimento. O seu episódio serviu exatamente para mostrar como um agressor escapa do sistema. O que ele fez a Hannah, contou como se fosse ao contrário, logo, dando mais bagagem para questionar quem era Hannah – ainda mais depois que uma pessoa antiga na vida da jovem, Sarah Carlin (Makenzie Veja) – expondo que Hannah praticou bullying juntamente com outras duras garotas contra ela.

Nora Walker.

Com Bryce distorcendo tudo, invés de contar que ele forçou ter algo com Hannah mas foi rejeitado, contou a sua versão como se Hannah fosse uma garota que mantinha relações sexuais frequentes com ele a fim de invalidar o relato de Hannah de como foi violentada. Depois, Chloe, sua namorada, desistiu de contar que também foi uma vítima. Restou a impunidade para Bryce. Ele ainda tinha apoio de seu pai, que acreditava em sua inocência, mas não de sua mãe, Nora Walker (Brenda Strong), que estava inclinada a enfrentar o filho.

Olhando para o passado (Hannah rejeitando Bryce), a informação não deveria ter sido citada na fita em que ela expôs a agressão que sofreu, acrescentando que ela se sentia insegura com ele depois dele forçar uma relação? Mas aqui vai mais uma incoerência dos roteiristas esquecendo do que fizeram na temporada passada de “13 Reasons Why”.

Fui citado nas fitas: Justin e Clay

Na primeira temporada Justin foi um personagem com uma história delicada. O moço passava a maior parte do tempo no quarto de piscina na casa de Bryce a fim de fugir de sua mãe, Ambler Foley (Jackie Geary) drogada e do padrasto violento e problemático. Depois que Jessica descobriu o que ele fez, ele fugiu com o dinheiro que roubou do padrasto.

No decorrer no novo ano, descobrimos que sua tentativa não deu muito certo, e ele acabou morando nas ruas e se viciando em heroína. O desenvolvimento para mostrar a recuperação do personagem e seu arrependimento foi uma das melhores coisas de acompanhar, ainda mais atentando para interação com os demais personagens e com ele também sendo importante para depor contra Bryce.

 

Sobre Clay, foi o fator completamente negativo da temporada e de difícil amadurecimento. O primeiro ano de “13 Reasons Why” teve a narrativa focada na expectativa dele sobre o que ouvia Hannah dizer nas fitas. Boa parte dessa expectativa se esbarrou no seu machismo, impedindo-o de compreender Hannah em vários momentos (como a lista feita por Alex, por exemplo). Nesse segundo ano, nada mudou.

Tony, Clay e Justin.

A volta de Hannah foi importante para os flashbacks, mas nós sabemos que foi porque Clay ainda não conseguiu se libertar. Ok, Clay ainda não superou. E por mais tenha tentado afastar o fantasma de Hannah que só ele via (toda vez que ele ouvia nos depoimentos uma versão diferente da Hannah que ele conhecia, queria namorar e não tinha esquecido do primeiro beijo), alarmava um surto de machismo irritante, sendo que diversas vezes, em contrapartida, foi repreendido por outros personagens por ser imbecil a ponto de acreditar que Hannah era vadia por ter tido outros relacionamentos e por afirmar que as garotas vítimas de Bryce eram culpadas por adentrar no chamado “O Clube”. Tem como te defender, Clay?

Os Bakers

No primeiro ano da série, os pais de Hannah, Andy e Olivia Baker, sofreram e muito ao saber aos poucos o que a filha passava. Agora, em cada nova informação dita nos depoimentos no tribunal, acompanhamos através de flashbacks o quanto os pais de Hannah (a mãe, na maior parte do tempo) sabiam de diversas coisas que ela passou e até falou, mas eles não levaram a sério. O que deixa claro que é impossível que ela não tenha dado nenhum sinal de que estava sofrendo.

Andy e Olivia.

Felizmente, pode se dizer que os Bakers encontraram paz para seguir em frente e saber de que algum jeito Hannah foi ouvida – ainda que injustiçada – e tudo o que puderam fazer para que o suicídio de Hannah não tenha sido em vão, foi feito.

Tyler, Cyrus e Montgomery

Desde a sua confissão no primeiro episódio dessa temporada de “13 Reasons Why”, Tyler foi envolto por um sentimento de revolta ao ler as notícias do processo contra a escola e saber que nem todos estavam sendo sinceros. A sua revolta aumentou ainda mais ao perceber que o bullying na escola continuava e o diretor da escola não fazia nada a respeito – ainda que tenha isso para ele.

Quebraram a sala em que ele mantinha sua câmera e fotos, como sinal de retaliação por ele assumir que era um stalker obcecado por Hannah. Além disso, vimos os demais personagens – exceto Alex e Clay – o rejeitarem pela sua confissão, sendo que também fizeram coisas graves. A partir daí o sentimento de revolta e inconformidade do personagem só aumentava. Foi através de Cyrus (Bryce Cass) que ele encontrou o tipo de influencia que atendia ao que ele queria fazer contra escola: punir. Punir pela negligência, pela hipocrisia, assim como os demais atletas, por conta de Bryce.

Cyrus.

Depois de não conseguir escapar das consequências de suas ações e ser realmente confrontado por isso – após postar nas redes sociais o que tinha feito contra a escola-, o que restou para Tyler foi ser encaminhado para um retiro para que o seu problema de raiva fosse tratado. Um mês se passa e Tyler volta com um corte de cabelo diferente e consciente de que precisava ser uma pessoa disposta a mudar depois do que fez anteriormente.

É trabalhando em cima da hipocrisia dos personagens que “13 Reasons Why” traça o seu diálogo com maestria. Apesar do que aconteceu com Hannah o bullying continua. Quem assistiu a uma cena – que não vale a pena ser descrita – no episódio final, sabe do que eu irei falar. Tyler estava passando por um processo de reintegração, e a maneira que foi abordado, violentamente e com covardia por Montgomery (Timothy Granaderos) e amigos, para puni-lo porque a escola foi desligada das atividades esportivas, foi terrível. A cena foi bem mais forte e gráfica do que foi mostrado no suicídio de Hannah E digo aqui que me senti mal por tamanha violência. Antes de acontecer, já fiquei assustado por perceber, e quando aconteceu, fiquei triste. Acredito que não precisava ser mostrado para firmar a importância do arco de Tyler nessa temporada – que já estava claro -, mas também acredito na importância de que é algo que acontece no cotidiano e que merece ser debatido.

13 reasons why
Montgomery.

Quem torceu que Tyler executasse os alunos num massacre no baile da escola, não acha que seria uma forma errada de combater o bullying, assim como Clay divulgou imagens de Tyler na primeira temporada de “13 Reasons Why” para se vingar por Hannah? Assim como o próprio Tyler e Cyrus explodindo tinta rosa na cara Marcus e terem escrito no seu carro a palavra “hipócrita”? A vontade de querer ver a justiça sendo feita por quem não mexe um dedo é grande, e talvez dizer para os errados a verdade que merecem ouvir pareça o correto, mas também é uma forma de propagar o próprio bullying. Fiquei aliviado pela série não mostrar a cena do massacre e com isso desenvolver um diálogo – atentando aqui para as palavras ditas por Clay para Tyler – sobre a questão envolvendo o bullying e como isso impactou negativamente a vida de jovem.

*

Encerro aqui essa análise sobre os personagens – que evoluíram e foram importantes para o que a série visa conversar – de 13 Reasons Why com essas ultimas observações:

 

Polaroide 1: uma nova temporada pode ser confirmada, mas o que esperar para um terceiro ano? O que será de Bryce e Chloe? Justin, Alex e Jessica? E Tyler? O ideal seria repensar numa forma de continuar contando as histórias dos personagens sem ferir ainda mais o que foi estabelecido, e evitando ao máximo a polêmicas com cenas gráficas.

Polaroide 2: aqui vai uma menção honrosa para a importância incrível de Sheri Holland (Ajiona Alexus) nessa temporada. Mais do que gratificante, foi ver o quanto o seu desempenho e papel colaborou.

Polaroide 3: os arcos de Ryan Shaver (Tommy Dorfman) e Tony Padilla (Christian Navarro) se mantiveram os mesmos se comparado a primeira temporada, exceto que o suspense inserido no enredo no final não se mostrou nada relevante.

Polaroide 4: não há nada de errado ao reconhecer que precisa de ajuda. Se você sentir a necessidade em pedir ajuda, não hesite. Converse com os seus pais, com pessoa de confiança ou ligue para o Centro de Valorização da Vida discando 188.

 


Curtiu a resenha? Discorda de alguma coisa? Então deixa um comentário aqui embaixo e entra no nosso grupo do Telegram!

The following two tabs change content below.

Felipe Oliveira

Gosto de tudo um pouco, mas me limito em não arriscar muito e talvez escrever seja o meu momento mais sincero no qual posso expor minhas ideias e pensamentos.